WhatsApp

WhatsApp 075 9192-9310 075 9802-9532 David Lopes Macedo

sábado, 15 de novembro de 2014

BRASIL OCUPA 3ª LUGAR COM MAIOR POPULAÇÃO CARCERÁRIA DO MUNDO

CNJ divulga dados sobre nova população carcerária brasileira


A nova população carcerária brasileira é de 711.463 presos. Os números apresentados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a representantes dos tribunais de Justiça brasileiros, nesta quarta-feira (4/6), levam em conta as 147.937 pessoas em prisão domiciliar. Para realizar o levantamento inédito, o CNJ consultou os juízes responsáveis pelo monitoramento do sistema carcerário dos 26 estados e do Distrito Federal. De acordo com os dados anteriores do CNJ, que não contabilizavam prisões domiciliares, em maio deste ano a população carcerária era de 563.526.

“Até hoje, a questão carcerária era discutida em referenciais estatísticos que precisavam ser revistos. Temos de considerar o número de pessoas em prisão domiciliar no cálculo da população carcerária”, afirmou o supervisor do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF/CNJ), conselheiro Guilherme Calmon.

A prisão domiciliar pode ser concedida pela Justiça a presos de qualquer um dos regimes de prisão – fechado, semiaberto e aberto. Para requerer o direito, a pessoa pode estar cumprindo sentença ou aguardando julgamento, em prisão provisória. Em geral, a prisão domiciliar é concedida a presos com problemas de saúde que não podem ser tratados na prisão ou quando não há unidade prisional própria para o cumprimento de determinado regime, como o semiaberto, por exemplo.

Provisórios – Além de alterar a população prisional total, a inclusão das prisões domiciliares no total da população carcerária também derruba o percentual de presos provisórios (aguardando julgamento) no País, que passa de 41% para 32%. Em Santa Catarina, a porcentagem cai de 30% para 16%, enquanto em Sergipe, passa de 76% para 43%.

“A porcentagem de presos provisórios em alguns estados causava uma visão distorcida sobre o trabalho dos juízos criminais e de execução penal. Quando magistrados de postura garantista concediam prisões domiciliares no intuito de preservar direitos humanos, o percentual de presos provisórios aumentava no estado”, disse o coordenador do DMF/CNJ, juiz Douglas Martins.

Ranking – Com as novas estatísticas, o Brasil passa a ter a terceira maior população carcerária do mundo, segundo dados do ICPS, sigla em inglês para Centro Internacional de Estudos Prisionais, do King’s College, de Londres. As prisões domiciliares fizeram o Brasil ultrapassar a Rússia, que tem 676.400 presos.

Déficit – O novo número também muda o déficit atual de vagas no sistema, que é de 206 mil, segundo os dados mais recentes do CNJ. “Considerando as prisões domiciliares, o déficit passa para 354 mil vagas. Se contarmos o número de mandados de prisão em aberto, de acordo com o Banco Nacional de Mandados de Prisão – 373.991 –, a nossa população prisional saltaria para 1,089 milhão de pessoas”, afirmou o conselheiro Guilherme Calmon.

Veja a íntegra do Novo Diagnóstico de Pessoas Presas no Brasil

Manuel Montenegro
Agência CNJ de Notícias

VEJA DADOS:  http://www.cnj.jus.br/images/imprensa/diagnostico_de_pessoas_presas_correcao.pdf

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

CARRO ANTIGO NÃO PRECISA PAGAR IPVA, HÁ ISENÇÃO DE PAGAMENTO TABELA POR ESTADOS.


Comprar um carro novo é o sonho de muita gente. Tudo novinho, nenhum barulho ou chiado, tudo funcionando perfeitamente, nada de arranhões ou amassados. Essas são algumas das características que fazem do carro zero quilômetro o sonho de consumo de muitos homens e mulheres. Mas apesar de tantos pontos positivos, o carro novo tem outro que talvez não devamos 

O tempo de fabricação para isenção do IPVA varia de acordo com cada estado
chamar de negativo mas, talvez, de incoveniente: o preço do IPVA.
Como sabemos, o valor do IPVA é calculado em cima do preço do veículo. Seja ele carro, moto ou caminhão, quanto mais alto seu valor, maior será o valor do IPVA. Além disso, cada estado aplica sua própria alíquota, o que pode fazer com que o mesmo modelo e ano de um veículo tenha o valor do IPVA diferente a depender do estado. Para saber mais sobre o IPVA (Imposto sobre a propriedade de veículos automotores), leia o post: Como calcular o IPVA.
Apesar de haver alegria com a aquisição de um carro novo, por outro lado, também pode existir a alegria por possuir um carro velho, com muitos anos de fabricação. Apesar de essa alegria não ser proporcionada pelos itens comentados no início do texto, o carro velho oferece um benefício ao seu dono: a isenção do IPVA. Ou seja, dependendo da idade do carro, fica isenta a cobrança do imposto aos seus proprietários.
ESTADOCARROS ISENTOS
Acre10 anos da data de fabricação
Alagoas20 anos da data de fabricação
Amapá15 anos da data de fabricação
Amazonas15 anos da data de fabricação
Bahia15 anos da data de fabricação
Ceará15 anos da data de fabricação
Distrito Federal15 anos da data de fabricação
Espírito Santo15 anos da data de fabricação
Goiás10 anos da data de fabricação
Maranhão15 anos da data de fabricação
Mato Grosso do Sul15 anos da data de fabricação
Mato Grosso*
Minas Geraisa redução é progressiva de acordo com o ano do veículo
Pará15 anos da data de fabricação
Paraíba15 anos da data de fabricação
Paraná20 anos da data de fabricação
Pernambucoa redução é progressiva de acordo com o ano do veículo
Piauí15 anos da data de fabricação
Rio de Janeiro15 anos da data de fabricação
Rio Grande do Norte10 anos da data de fabricação
Rio Grande do Sul20 anos da data de fabricação
Rondônia15 anos da data de fabricação
Roraima10 anos da data de fabricação
Santa Catarinaveículos fabricados até 1985
São Paulo20 anos da data de fabricação
Sergipe15 anos da data de fabricação
Tocantins15 anos da data de fabricação
* O tempo de fabricação para a isenção do pagamento do IPVA no estado de Mato Grosso está sendo revisado por nossa equipe, a partir do comentário feito pelo visitante Carlos.

Unesco: "A educação em Cuba é um exemplo para o mundo"



Unesco reconhece novamente o progresso considerável de Cuba para desenvolver o seu sistema de educação para todos, que é maior quando comparado com vários países desenvolvidos.

"A educação em Cuba é um exemplo para o mundo", disse ele à agência de notícias cubana Representante do Escritório Regional da Cultura da América Latina e Caribe da Unesco, Miguel Jorge Llivina Lavigne, da Universidade Congresso Internacional de 2014.

Ele também lembrou que Cuba tem um Índice de Desenvolvimento da EPT muito alta, mesmo quando comparado com países desenvolvidos. O índice considera a qualidade, primeira infância, elementar, juventude, alfabetização de adultos e paridade de gênero.

De acordo com esse índice, Cuba ocupa o primeiro lugar entre todos os países da América Latina, incluindo o México e Venezuela. Este índice avalia o nível geral de implementação dos objectivos da iniciativa de "Educação para Todos" da UNESCO, lançado em 2000.

De acordo com o último relatório da iniciativa, Cuba também ocupa o primeiro lugar entre os países com maior despesa em educação de baixa renda.

O representante da Unesco também destacou os programas educacionais cubanos 'educar o seu filho "e" Yes I Can ", que os habitantes da ilha implementadas na América Latina e os países do Caribe, e cujo objectivo principal é a luta contra o analfabetismo e oferecer educação a todos.


Texto completo: http://actualidad.rt.com/actualidad/view/119953-unesco-educacion-cubana-ejemplo-mundo

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

POLICIA FEDERAL LIGA TRÁFICO DE DROGAS A DESVIOS NA PATROBRAS

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) investigam a possibilidade de que contas utilizadas para lavar dinheiro do tráfico de drogas, descobertas na Operação Lava-Jato, também eram usadas para abastecer pagamentos a políticos envolvidos no esquema de desvio de recursos da Petrobras.
Em depoimento prestado nesta semana, o doleiro Alberto Youssef, acusado de ser o comandante do esquema de lavagem de dinheiro da Lava-Jato, afirmou aos investigadores que repassava valores a “agentes públicos” por meio do Carlos Habib Chater – também indiciado na operação –, a pedido do ex-presidente do PP José Janene. Parte do dinheiro entregue a políticos por Chater vinha de empreiteiras que tinham contratos com a administração pública federal.
Carlos Habib Chater, também conhecido como Habib, é dono de um posto de gasolina de Brasília chamado Posto da Torre LTDA e, durante a fase inicial da Operação Lava-Jato, a PF descobriu que algumas transferências bancárias eletrônicas originárias da empresa foram destinadas ao pagamento de carregamento de cocaína. As drogas, vindas da Bolívia, tinham como alvo o consumo interno brasileiro.
Agora, os investigadores apuram se as contas utilizadas pelo Posto da Torre para transferência de recursos a traficantes também foram utilizadas para alimentar cofres de partidos envolvidos tanto no mensalão quanto no esquema de desvio de recursos da Petrobras.
Um exemplo do uso das contas da empresa controlada por Habib para o pagamento de drogas ocorreu no dia 13 de setembro de 2009, data na qual foi registrada uma transferência bancária do Posto da Torre LTDA a um boliviano identificado apenas como Navo, no valor de R$ 40,5 mil. Os investigadores acreditam ser esse o pagamento de um carregamento de drogas da Bolívia.
A mediação dos depósitos foi feita por Rene Luiz Peirera, o “Rene”, auxiliar de Habib. Essa transferência falhou, o que obrigou Rene a realizar outro depósito três dias depois, no mesmo valor. No pagamento dos carregamentos de drogas a PF detectou o uso de cheques no valor de R$ 85 mil, também oriundos do Posto da Torre LTDA. Esses valores (R$ 125 mil ao todo) seriam referentes ao pagamento de 55 kg de cocaína pura.
“O Posto agrega um ‘complexo empresarial’ gerido por Chater (o ‘Habib’), que abrange Posto de Combustíveis, loja de conveniência, lavanderia, shawarma, pastelaria, etc, bem como, para não fugir a regra, uma casa de câmbio. Sediado ali também o ‘escritório’ de Chater, onde o mesmo atende com frequência seus 

PF suspeita de elo entre tráfico de droga e desvios na Petrobras

clientes, quando não se encontra no flat que ocupa no complexo hoteleiro localizado em frente ao posto de combustíveis”, apontam os investigadores do Ministério Público Federal na denúncia relacionada ao tráfico de drogas da Operação Lava-Jato.
“Tem-se assim os depósitos, em conta ‘laranja’, em 13/9/2013 e 16/9/2013, por Habib, com o auxílio de André (Catão Miranda, integrante do grupo de Youssef) e a favor de Rene e Sleiman (Nassim El Kobrossy, outro integrante do grupo de Yousseff), do restante do valor (dois cheques, no valor total de R$ 85 mil, e duas TEDs, no valor total de R$ 40,5 mil, respectivamente), seguidos da remessa do montante ao exterior – Bolívia - e de sua entrega a fornecedores ou produtores de drogas daquele país, em 17/9/2013 e 19/9/2013”, apontam os investigadores.
“Rene e Sleiman integram uma organização transnacional dedicada ao tráfico de cocaína adquirida de produtores ou fornecedores da Bolívia e do Peru, droga essa geralmente embarcada no Porto de Santos com destino à Europa. Eles fazem parte do núcleo operacional e financeiro da organização, responsável pela circulação dos ativos ilícitos e seu ‘reinvestimento’ na aquisição de novas cargas de droga”, esclarecem os investigadores no inquérito da Operação Lava Jato.

PREFEITURA DE IRECÊ DEMITI FUNCIONÁRIOS CONTRATADOS NO PERÍODO DE ELEIÇÃO

Após processo eleitoral, Prefeitura de Irecê demite trabalhadores em massa



  • 0
Desde o mês de agosto, a Prefeitura de Irecê começou a efetivar cortes em cargos comissionados e em contratos de Regime Especial de Direito Administrativo (Reda) e intensificou o processo de demissões após o período eleitoral.  Embora o secretário municipal de Planejamento e Administração, Francisco Barbosa, em entrevista ao Bocão News, não soubesse precisar o número de exonerados, nos bastidores da Câmara Municipal estima-se que algo em torno de 200 pais e mães de família perderam seus sustentos.
 
De acordo com o titular da pasta municipal, as demissões aconteceram após a análise das receitas e despesas da prefeitura e foram necessárias para que a administração honre todos os compromissos que foram firmados.  Mesmo com os cortes já feitos, a perspectiva para os próximos meses, não é das mais otimistas.
 
“Sempre cumprimos todos os nossos compromissos e a Prefeitura de Irecê tem essa marca. Enxugar a máquina tornou-se necessário para que continuemos honrando tudo o que foi acordado. O segundo semestre do ano para as finanças é quase sempre melhor do que o primeiro. Dezembro é melhor do que novembro, que é melhor que outubro, que é melhor que setembro. Verificamos que de setembro para outubro houve uma piora e, diante da situação, percebemos as necessidades dos cortes. A previsão é de que nos próximos meses, se o quadro continuar desta forma, mais demissões irão acontecer”, avaliou Francisco Barbosa.
 
 
Já para o líder da bancada da oposição na Câmara Municipal de Irecê, vereador Pascoal Martins (PCdoB), não há planejamento nem transparência da gestão do prefeito Luizinho Sobral. “Redas da gestão anterior, que poderiam ser renovados, foram desfeitos. Não sabemos ao certo o número de trabalhadores que foram demitidos porque a prefeitura não divulga no Diário Oficial. Estão dizendo que a folha está inchada, mas o estranho é que só perceberam isso agora, após as eleições. Oficialmente, nada foi dito até agora, apesar de estarmos batendo insistentemente nesta tecla na Câmara.  Agora, eles estão demitindo desta forma o que demonstra uma total falta de planejamento ou mesmo uma falta de vontade de fazer o correto. Estão descendo a madeira no povo”, criticou Pascoal Martins.
 
 
Caça às bruxas e uso de verba pública em campanha
 
O comunista ainda ironizou os votos recebidos pelos candidatos apoiados por Luizinho Sobral, deputado estadual Bruno Reis (PMDB) e deputado federal eleito João Carlos Bacelar (PTN). “Aqui na cidade, a conversa é de que Bruno Reis e João Carlos Bacelar foram apoiados, inclusive, financeiramente pela prefeitura. Mais do que isso, a conversa é que Luizinho investiu alto, está extremamente insatisfeito com a quantidade de votos que eles tiveram no município e está realizando uma verdadeira caça às bruxas na administração para descobrir de quem foi o erro da votação abaixo do que ele esperava. Ele está chateado porque foi mal com todo mundo que ele apoiou, de presidente a deputado estadual”, alfinetou Pascoal Martins.
 
Em contato com a reportagem do Bocão News, o prefeito Luizinho Sobral negou qualquer ajuda financeira às campanhas dos deputados eleitos. “Não gastei dinheiro público na campanha de ninguém até porque isso é ilegal. Não prometi voto a ninguém e não existe nada disso. Estou satisfeitíssimo com a quantidade de votos que receberam em Irecê os candidatos que apoiei. Tiveram votos até demais”, garantiu.
 
 
Bruno Reis, apoiado por Sobral, foi o terceiro deputado estadual mais votado no município com 4005 votos. Ficou atrás de Zé das Virgens, ex-prefeito de Irecê e desafeto de Luizinho Sobral, que obteve 6.651 votos e “Militão” Dourado (PRB), fundador do PT em Lapão, com 4.386 votos. Já João Carlos Bacelar ficou na segunda posição entre os candidatos a deputado federal em Irecê, com 2.743 votos. Superado somente pelo petista Caetano, que fez dobradinha com Zé das Virgens, e alcançou 3.537 votos no município. 

FONTE: BOCÃO NEWS

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

AS 10 MAIORES CIDADES DO BRASIL EM KM

As maiores cidades do Brasil não ficam na região sudeste, pelo contrário, as cidades se concentra na região menos populosa do Brasil. Meio contraditório, não é mesmo? A cidade Altamira, por exemplo, é quase 2 vezes maior que Portugal, de impressionante área territorial.
São ao todo 5570 cidades pelo território brasileiro, e no que se refere à população existem dados interessantes, pois em São Paulo há em torno de 11 milhões de habitantes, população equivalente a mais que a de muitos países do mundo. Estão relacionadas a seguir as 10 maiores cidades do Brasil em extensão territorial.

Top 10 maiores cidades do Brasil

10°

Lábrea, Amazonas – Área 68.229,009 km²

labrea uma das maiores cidades do brasil
Esta cidade está localizada no interior do Amazonas e pertence à Mesorregião do Sul Amazonense e Microrregião do Purus. São 41600 habitantes, segundo estimativas do IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Já o Produto Interno Bruto de Lábrea é um dos maiores do Estado, e a maior contribuinte é a agropecuária.

Jutaí, Amazonas – Área 69.551,856 km²

Jutaí amazonas entre as maiores
A cidade é localizada em microrregião do Alto Solimões, mesorregião do Sudoeste Amazonense, e são em torno de 25 mil habitantes, sendo fundada em 1955.
É a cidade brasileira com mais elevado índice de Gini, de acordo com Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento de 2001, logo, é a cidade com maior desigualdade de renda brasileira; mas tem a terceira menor taxa de mortalidade infantil do país.

Almeirim, Pará – Área 72.960,274 km²

almeirim cidade
Almeirim ocupa a oitava posição entre as 10 maiores cidades do Brasil. É terceira maior cidade em extensão territorial do Pará. A população estimada no ano 2010 se resumia a 33.614 habitantes, e no interior existe parte da reserva indígena da tribo dos Waiãpi.

Atalaia do Norte, Amazonas – Área 76.354,985 km²

cidade atalaia do norte
Esta cidade está localizada no interior do Amazonas e pertence à Mesorregião do Sudoeste Amazonense e Microrregião do Alto Solimões, a sudoeste da capital Manaus, com distância em torno de 1.136 km.
A população estimada no ano 2013, pelo IBGE era de 17.174 habitantes. O conhecimento internacional de Atalaia do Norte é pela abrangência de grande parte da Terra Indígena Vale do Javari, maior reserva de índios isolados pelo mundo.

São Félix do Xingu, Pará – Área 84.212,426 km²

sao felix do xingu
A cidade está localizada a 1050 km da capital do Pará, e ocupa a sexta posição na seleção das 10 maiores cidades do Brasil. A pecuária de corte caracteriza a base da economia de São Félix do Xingu, possuindo o maior rebanho do país, com mais de 1,7 milhões de cabeças.

Tapauá, Amazonas – Área 89.324,259 km²

Tapaua Amazonas maiores cidades
Tapauá está localizada no interior do Amazonas e pertence à Mesorregião do Sul Amazonense e Microrregião do Purus, ao sul da capital Manaus. A população estimada no ano 2012, pelo IBGE se resumia a 17.903 habitantes. O IDH, Índice de Desenvolvimento Humano, é médio, 0.502.

Oriximiná, Pará – Área 107.602,992 km²

Oriximina para
A população de 62.963 habitantes de Oriximiná foi estimada no ano 2010, e a extensão territorial ultrapassa a de países como Dinamarca, Portugal e Coréia do Sul, e por isso a cidade está em quarta posição nesta seleção.

São Gabriel da Cachoeira, Amazonas – Área 109.184,896 km²

Sao Gabriel da Cachoeira Amazonas
A cidade está localizada pelo interior do Amazonas, no extremo noroeste do Brasil, com distância para capital Manaus de 852 km. Grande parte do território de São Gabriel da Cachoeira é abrangida pelo Parque Nacional do Pico da Neblina, e terras indígenas de Alto Rio Negro, Médio Rio Negro I, II, e II e Rio Tea.
Esta cidade é popular como ponto estratégico do Brasil, e são 9 entre 10 habitantes, indígenas; São Gabriel da Cachoeira é local de maior predominância de indígenas no país.

Barcelos, Amazonas – Área 122.475,728 km²

Barcelos Amazonas entre as maiores cidades do brasil
A cidade localiza-se no interior do Amazonas e pertence à Mesorregião do Norte Amazonense e Microrregião de Rio Negro, sendo cidade histórica, e foi primeira capital da província do Estado antes da transferência para Manaus da sede administrativa.
É a maior cidade do Amazonas em área territorial, localizada à margem direita do rio Negro; faz parte da lista dos maiores municípios do mundo por área territorial.

Altamira, Pará – Área 159.695,938 km²

cidade de altamira a maior do brasil
Altamira é líder na seleção das 10 maiores cidades do Brasil, no Pará, na Região Norte do Brasil. Até o ano 2009, foi maior cidade do mundo em extensão territorial, passando muitos países, como Suíça, Portugal, Irlanda e Islândia.


Leia mais em:http://top10mais.org/top-10-maiores-cidades-brasil/#ixzz3I3u2r2RS

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

VALE, VALIA 100 BILHÕES E FOI VENDIDA POR 3,3 BILHÕES


Justiça reconhece fraude na privatização da Companhia Vale do Rio Doce


Maíra Kubík Mano
da AEPET

Se você tivesse um cacho de bananas que valesse R$9,00, você o colocaria à venda por R$0,30? Óbvio que não. Mas foi isso que o governo federal fez na venda de 41% das ações da Companhia Vale do Rio Doce para investidores do setor privado, em 1997. Eles pagaram R$3,3 bilhões por uma empresa que vale perto de R$100 bilhões. Quase dez anos depois, a privatização da maior exportadora e produtora de ferro do mundo pode ser revertida.
Em 16 de dezembro do ano passado [2005], a juíza Selene Maria de Almeida, do Tribunal Regional Federal (TRF) de Brasília, anulou a decisão judicial anterior e reabriu o caso, possibilitando a revisão do processo. “A verdade histórica é que as privatizações ocorreram, em regra, a preços baixos e os compradores foram financiados com dinheiro público”, afirma Selene. Sua posição foi referendada pelos juízes Vallisney de Souza Oliveira e Marcelo Albernaz, que compõem com ela a 5ª turma do TRF.
Entre os réus estão a União, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Eles são acusados de subvalorizar a companhia na época de sua venda. Segundo as denúncias, em maio de 1995 a Vale informou à Securities and Exchange Comission, entidade que fiscaliza o mercado acionário dos Estados Unidos, que suas reversas de minério de ferro em Minas Gerais eram de 7.918 bilhões de toneladas. No edital de privatização, apenas dois anos depois, a companhia disse ter somente 1,4 bilhão de toneladas. O mesmo ocorre com as minas de ferro no Pará, que em 1995 somavam 4,97 bilhões de toneladas e foram apresentadas no edital como sendo apenas 1,8 bilhão de toneladas.
Outro ponto polêmico é o envolvimento da corretora Merrill Lynch, contratada para avaliar o patrimônio da empresa e calcular o preço de venda. Acusada de repassar informações estratégicas aos compradores meses antes do leilão, ela também participou indiretamente da concorrência por meio do grupo Anglo American. De acordo com o TRF, isso comprometeu a imparcialidade da venda.
A mesma Merrill Lynch, na privatização da Yacimientos Petrolíferos Fiscales (YPF) da Argentina, reduziu as reservas declaradas de petróleo de 2,2 bilhões de barris para 1,7 bilhão.

Nova perícia
Depois da venda da Vale, muitas ações populares foram abertas para questionar o processo. Reunidas em Belém do Pará, local onde a empresa está situada, as ações foram julgadas por Francisco de Assis Castro Júnior em 2002. “O juiz extinguiu todas as ações sem apreciação do mérito. Sem olhar para tudo aquilo que nós tínhamos dito e alegado. Disse que o fato já estava consumado e que agora analisar todos aqueles argumentos poderiam significar um prejuízo à nação”, afirma a deputada federal doutora Clair da Flora Martins (PT/PR).
O Ministério Público entrou com um recurso junto ao TRF de Brasília, que foi julgado no ano passado. A sentença determinou a realização de uma perícia para reavaliar a venda da Vale. No próximo passo do processo, as ações voltam para o Pará e serão novamente julgadas. Novas provas poderão ser apresentadas e os réus terão que se defender.
Para dar visibilidade à decisão judicial, será criada na Câmara dos Deputados a Frente Parlamentar em Defesa do Patrimônio Público. A primeira ação é mobilizar a sociedade para discutir a privatização da Vale. “Já temos comitês populares em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Pará, Espírito Santo, Minas Gerais e Mato Grosso”, relata a deputada, uma das articuladoras da frente.
“Precisamos construir um processo de compreensão em cima da anulação da venda da Vale, conhecer os marcos gerais dessas ideias a partir do que se tem, que é uma ação judicial, e compreendê-la dentro de um aspecto mais geral, que é o tema da soberania nacional”, acredita Charles Trocate, integrante da direção nacional do MST. Ele participa do Comitê Popular do Pará, região que tem forte presença da Vale.
Entre os marcos da privatização, que serão estudados e debatidos nos próximos meses nos comitês, está o Plano Nacional de Desestatização, de julho de 1995. A venda do patrimônio da Vale fez parte de uma estratégia econômica para diminuir o déficit público e ampliar o investimento em saúde, educação e outras áreas sociais. Cerca de 70% do patrimônio estatal foi comercializado por R$60 milhões, segundo o governo. “Vendendo a Vale, nosso povo vai ser mais feliz, vai haver mais comida no prato do trabalhador”, disse o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em 1996. A dívida interna, entretanto, não diminuiu: entre 1995 e 2002 ela cresceu de R$108 bilhões para R$654 bilhões.
Na época, a União declarou que a companhia não custava um centavo ao Tesouro Nacional, mas também não rendia nada. “A empresa é medíocre no contexto internacional. É uma péssima aplicação financeira. Sua privatização é um teste de firmeza e determinação do governo na modernização do Estado”, afirmou o deputado Roberto Campos (PPB/SP) em 1997. No entanto, segundo os dados do processo, o governo investiu R$2,71 bilhões durante toda a história da Vale e retirou R$3,8 bilhões, o que comprova o lucro.
“O governo que concordou com essa iniciativa não tinha compromisso com os interesses nacionais”, diz a deputada doutora Clair.

Poder de Estado
A Vale se tornou uma poderosa força privada. Hoje ela é a companhia que mais contribui para o superávit da balança comercial brasileira, com 54 empresas próprias nas áreas de indústria, transporte e agricultura.
“Aqui na região de Eldorado dos Carajás (PA), a Vale sequestra todo mundo: governos municipais e governo estadual. Como o seu Produto Interno Bruto é quatro vezes o PIB do estado Pará, ela se tornou o estado econômico que colonizou o estado da política. Tudo está em função de seus interesses”, coloca Charles Trocate.
Trocate vivência diariamente as atividades da empresa no Pará e a acusa de gerar bolsões de pobreza, causados pelo desemprego em massa, desrespeitar o meio ambiente e expulsar sem-terra e indígenas de suas áreas originais.
“Antes da privatização, a Vale já construía suas contradições. Nós temos clareza de que a luta agora é muito mais ampla. Nesse processo de reestatização, vamos tentar deixar mais claro quais são as mudanças que a empresa precisa fazer para ter uma convivência mais sadia com a sociedade na região”, diz Trocate. De acordo com um levantamento do Instituto Ipsos Public Affairs, realizado em junho de 2006, a perspectiva é boa: mais de 60% dos brasileiros defendem a nacionalização dos recursos naturais e 74% querem o controle das multinacionais.

Patrimônio da Vale em 1996
● maior produtora de alumínio e ouro da América Latina
● maior frota de navios graneleiros do mundo
● 1.800 quilômetros de ferrovias brasileiras
● 41 bilhões de toneladas de minério de ferro
● 994 milhões de toneladas de minério de cobre
● 678 milhões de toneladas de bauxita
● 67 milhões de toneladas de caulim
● 72 milhões de toneladas de manganês
● 70 milhões de toneladas de níquel
● 122 milhões de toneladas de potássio
● 9 milhões de toneladas de zinco
● 1,8 milhão de toneladas de urânio
● 1 milhão de toneladas de titânio
● 510 mil toneladas de tungstênio
● 60 mil toneladas de nióbio
● 563 toneladas de ouro
● 580 mil hectares de florestas replantadas, com matéria-prima para a produção de 400 mil toneladas/ano de celulose
Fonte: Revista Dossiê Atenção – “Porque a venda da Vale é um mau negócio para o país”, fls. 282/292, da Ação Popular nº 1997.39.00.011542-7/PA.

Quanto vale hoje
● 33 mil empregados próprios
● participação de 11% do mercado transoceânico de manganês e ferro-liga
● suas reservas de minério de ferro são suficientes para manter os níveis atuais de produção pelos próximos 30 anos
● possui 11% das reservas mundiais estimadas de bauxita
● é o mais importante investidor do setor de logística no Brasil, sendo responsável por 16% da movimentação de cargas do Brasil, 65% da movimentação portuária de granéis sólidos e cerca de 39% da movimentação do comércio exterior nacional
● possui a maior malha ferroviária do país
● maior consumidora de energia elétrica do país
● possui atividades na América, Europa, África, Ásia e Oceania
● concessões, por tempo ilimitado, para realizar pesquisas e explorar o subsolo em 23 milhões de hectares do território brasileiro (área correspondente aos territórios dos estados de Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Paraíba e Rio Grande do Norte)
Fonte: 5ª Turma do TRF da 1ª Região
Foto: Reprodução

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

146 CANDIDATOS A DEPUTADOS FEDERAIS RECEBERAM VOTOS EM RUY BARBOSA

Nr Cand Candidato Partido Legenda Situação Qt VotosNominais %
1363 MOEMA ISABEL PASSOS GRAMACHO PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 3.914 26,66
1518 LUCIO QUADROS VIEIRA LIMA PMDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 2.119 14,43
5500 JOSÉ CARLOS LEÃO DE ARAUJO PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por média 1.664 11,33
2526 PAULO VELLOSO DANTAS AZI DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 995 6,78
1310 VALMIR CARLOS DA ASSUNÇÃO PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 542 3,69
2020 ANTONIO LAZARO SILVA PSC DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 332 2,26
2555 JOSÉ CARLOS ALELUIA COSTA DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 280 1,91
4545 JUTAHY MAGALHÃES JUNIOR PSDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 266 1,81
1010 MÁRCIO CARLOS MARINHO PRB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 233 1,59
2288 JOÃO CARLOS PAOLILO BACELAR FILHO PR PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 164 1,12
1346 NELSON VICENTE PORTELA PELLEGRINO PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 134 0,91
1300 LUIZ CARLOS CAETANO PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 112 0,76
1410 ANTONIO LUIZ PARANHOS RIBEIRO LEITE DE BRITO PTB PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 103 0,7
1144 RONALDO CARLETTO PP PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 92 0,63
2522 CLAUDIO CAJADO SAMPAIO DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 90 0,61
1919 JOAO CARLOS BACELAR BATISTA PTN DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 87 0,59
2012 ERIVELTON LIMA SANTANA PSC DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por média 80 0,54
7712 ARTHUR DE OLIVEIRA MAIA DA SILVA SD DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 78 0,53
1313 JORGE JOSÉ SANTOS PEREIRA SOLLA PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 64 0,44
4555 ANTONIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA PSDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 56 0,38
6522 ALICE MAZZUCO PORTUGAL PC do B PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 45 0,31
1301 AFONSO BANDEIRA FLORENCE PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 44 0,3
1115 CARLOS FELIPE VAZQUEZ DE SOUZA LEÃO PP PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 41 0,28
1234 FELIX DE ALMEIDA MENDONÇA JUNIOR PDT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 31 0,21
4567 JOÃO GUALBERTO VASCONCELOS PSDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 27 0,18
2222 JOSÉ ALVES ROCHA PR PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 26 0,18
1111 MÁRIO SÍLVIO MENDES NEGROMONTE JÚNIOR PP PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 22 0,15
6565 DANIEL GOMES DE ALMEIDA PC do B PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 17 0,12
1312 JOSIAS GOMES DA SILVA PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 17 0,12
5529 PAULO SERGIO PARANHOS DE MAGALHÃES PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 14 0,1
4013 ADALBERTO SOUZA GALVAO PSB PSB / PSL / PPL Eleito por QP 13 0,09
3637 ULDURICO ALENCAR PINTO PTC PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Eleito por QP 9 0,06
1123 ROBERTO PEREIRA DE BRITTO PP PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 7 0,05
1012 ERONILDES VASCONCELOS CARVALHO PRB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 6 0,04
2552 ELMAR JOSÉ VIEIRA NASCIMENTO DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Eleito por QP 5 0,03
1400 BENITO DA GAMA SANTOS PTB PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por média 2 0,01
5577 JOSÉ NUNES SOARES PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 1 0,01
5580 SERGIO LUIS LACERDA BRITO PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 0 0
1322 WALDENOR ALVES PEREIRA FILHO PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Eleito por QP 0 0
1350 ROBINSON SANTOS ALMEIDA PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 192 1,31
4010 ANTONIO TADEU NASCIMENTO FERNANDES PSB PSB / PSL / PPL Suplente 77 0,52
5528 FERNANDO DANTAS TORRES PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 74 0,5
2533 LUCIANO FRED BRAGA PENHA DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 70 0,48
1515 JOSÉ RAIMUNDO SAMPAIO OLIVEIRA PMDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 69 0,47
1510 COLBERT MARTINS DA SILVA FILHO PMDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 65 0,44
5454 MARCELO SIQUEIRA BARRETO PPL PSB / PSL / PPL Suplente 62 0,42
4477 ALEXANDRE GOMES MARQUES PRP PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 45 0,31
7788 MARCOS ANTÔNIO MEDRADO SD DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 42 0,29
9090 MAURICIO GONÇALVES TRINDADE PROS DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 40 0,27
5133 LUIZ CARLOS BASSUMA PEN PRTB / PEN Não eleito 38 0,26
1336 YULO OITICICA PEREIRA PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 33 0,22
1620 GABRIELA PROTÁSIO MOTA PSTU PSTU Não eleito 32 0,22
7777 JOAO LUIZ CORREIA ARGOLO DOS SANTOS SD DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 30 0,2
5555 MANUELA MONTEIRO DE MENEZES OLIVEIRA PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 29 0,2
2588 MARCELO DE MELO SILVA DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 29 0,2
2570 JOSÉ FRANCISCO PINTO DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 23 0,16
4400 JOSE ABILIO SILVA DE SANTANA PRP PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 22 0,15
1303 LUIZ ALBERTO SILVA DOS SANTOS PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 21 0,14
5533 EDSON SAMPAIO PIMENTA PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 17 0,12
1000 ACELINO FREITAS PRB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 16 0,11
5000 JOÃO CARLOS DANTAS PSOL PSOL Não eleito 16 0,11
1331 EMILIANO JOSÉ DA SILVA FILHO PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 15 0,1
1311 AMAURI SANTOS TEIXEIRA PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 14 0,1
5192 JOSAFA RAMOS DOS SANTOS PEN PRTB / PEN Não eleito 14 0,1
1233 SEVERIANO ALVES DE SOUZA PDT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 13 0,09
2577 CLÁUDIO PINHEIRO TABOADA DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 10 0,07
1700 TATIANA MARIA PARAISO PSL PSB / PSL / PPL Suplente 10 0,07
2580 GERSON SILVA GABRIELLI DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 8 0,05
5123 HUMBERTO LOPES CEDRAZ PEN PRTB / PEN Não eleito 8 0,05
2300 JOCEVAL RODRIGUES DOS SANTOS PPS PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 8 0,05
1516 JOSÉ AUGUSTO NOGUEIRA DA SILVA PMDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 7 0,05
1393 LENICE DOS SANTOS FERREIRA PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 7 0,05
9001 ANA RITA TAVARES TEIXEIRA PROS DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 6 0,04
1122 ÉRICA BATISTA DE SANTANA PP PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 6 0,04
1333 HENRIQUE TAVARES BARREIROS PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 6 0,04
4323 MARCELO BORGES BOTELHO PV PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 6 0,04
5512 JUSMARI TEREZINHA DE SOUZA OLIVEIRA PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 5 0,03
2244 PEDRO ALCANTARA DE SOUZA PR PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 5 0,03
3636 RIVAILTON PINTO VELOSO DA SILVA PTC PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 5 0,03
2525 RUI DANTAS DA SILVA DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 5 0,03
5177 VALDILSON DA SILVA ROCHA PEN PRTB / PEN Não eleito 5 0,03
2500 YURI BITTENCOURT NEVES DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 5 0,03
2233 CARLITO FERREIRA PEREIRA DOS SANTOS PR PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 4 0,03
4533 LUISLINDA DIAS DE VALOIS SANTOS PSDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 4 0,03
1366 RAIMUNDO MOISÉS DA SILVA CALIXTO PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 4 0,03
7017 VERINE SILVA DE SOUZA PT do B PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 4 0,03
1013 EDILEUZA SILVA SOUZA PRB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 3 0,02
1133 JOÃO HONORATO NASCIMENTO CASTRO PP PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 3 0,02
4022 JOSE CARLOS LELIS COSTA PSB PSB / PSL / PPL Suplente 3 0,02
4080 JOSEPH WALLACE FARIA BANDEIRA PSB PSB / PSL / PPL Suplente 3 0,02
4500 MOISES BARBOSA DOS SANTOS PSDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 3 0,02
4000 NADJARA LIMA REGIS PSB PSB / PSL / PPL Suplente 3 0,02
5081 ALANA MARIA FERREIRA BISPO PSOL PSOL Não eleito 2 0,01
4404 ALEXSANDRO NASCIMENTO DA SILVA PRP PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 2 0,01
4355 ALONSO JOSE DOS SANTOS CAMANDAROBA PV PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 2 0,01
4040 DOMINGOS LEONELLI NETTO PSB PSB / PSL / PPL Suplente 2 0,01
4048 GERALDO JOSE BITTENCOURT DA COSTA PSB PSB / PSL / PPL Suplente 2 0,01
4343 IVANILSON GOMES DOS SANTOS PV PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 2 0,01
4456 JORGE FERREIRA DOS SANTOS PRP PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 2 0,01
5011 JOSÉ CARLOS CARDOSO LIMA PSOL PSOL Não eleito 2 0,01
2562 LUIZA COSTA BEZERRA DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 2 0,01
1213 NALVA SOUZA SAMPAIO PDT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 2 0,01
1212 ODIOSVALDO BOMFIM VIGAS PDT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 2 0,01
4333 RAMON DE SENA SOUZA PV PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 2 0,01
2323 RICARDO ROCHA MACHADO PPS PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 2 0,01
4310 ROBSON DOS SANTOS PASSOS PV PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 2 0,01
5099 SIDINEA ALMEIDA PEDREIRA VRBATA PSOL PSOL Não eleito 2 0,01
2514 SILVIO ALVES DOS SANTOS DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 2 0,01
2529 ALBERTO FÁBIO FERREIRA DE SANTANA DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
4099 ALECCIENE CHAVES GUSMAO PSB PSB / PSL / PPL Suplente 1 0,01
5511 ANIZETE REGINA DE CARVALHO LABORDA PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 1 0,01
5556 ANTONIO MAURICIO BASTOS LABORDA PSD PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 1 0,01
3651 ANTONIO PEREIRA DE ARAUJO NETO PTC PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 1 0,01
4580 CARLOS EDUARDO LOPES BRAGA PSDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
4020 DEJANIRA ROBERTA DE MORAES BORGES PSB PSB / PSL / PPL Suplente 1 0,01
1334 ELISANGELA DOS SANTOS ARAUJO PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 1 0,01
3333 ELIVAL VIEIRA DOS SANTOS PMN PMN Não eleito 1 0,01
4001 ENOQUE MENESES SILVA PSB PSB / PSL / PPL Suplente 1 0,01
1713 FLORISVALDO BISPO DE JESUS PSL PSB / PSL / PPL Suplente 1 0,01
5050 FRANDERRAK DOS SANTOS MASCARENHAS PSOL PSOL Não eleito 1 0,01
1789 GENIVALDO PEREIRA DO NASCIMENTO PSL PSB / PSL / PPL Suplente 1 0,01
4550 GUILHERME JOSÉ DA SILVA VIANNA FILHO PSDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
2899 ILTON RIBEIRO DOS SANTOS PRTB PRTB / PEN Não eleito 1 0,01
2002 INÁCIA CONCEIÇÃO SANTOS PSC DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
3613 ISRAEL DA COSTA SOUZA PTC PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 1 0,01
2845 JACINTO AMORIM DE SOUSA PRTB PRTB / PEN Não eleito 1 0,01
5090 JAMERSON LUIZ GONÇALVES DOS SANTOS PSOL PSOL Não eleito 1 0,01
2888 JOAO LUIZ SILVA SANTOS PRTB PRTB / PEN Não eleito 1 0,01
5021 JOILSON BARROS SANTOS PSOL PSOL Não eleito 1 0,01
5125 JOSE ANTONIO DE FREITAS JUNIOR PEN PRTB / PEN Não eleito 1 0,01
4455 JOSE LUCIANO CAPISTRANO PRP PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 1 0,01
5010 JOSÉ WELLINGTON ALVES DOS SANTOS PSOL PSOL Não eleito 1 0,01
4004 JOVENICE DOS SANTOS SILVA PSB PSB / PSL / PPL Suplente 1 0,01
1526 KLEBER DE CARVALHO PMDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
2540 MARIA CONCEIÇÃO ROLIM CALMON LACERDA DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
2315 MARLENE MOTA SEPULVEDA BALTHAZAR DA SILVEIRA PPS PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 1 0,01
2550 MAURINA MOACIR NASCIMENTO DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
5060 NEWTON JOÃO TEIXEIRA JUNIOR PSOL PSOL Não eleito 1 0,01
1231 NIVALDO TEIXEIRA LIMA FILHO PDT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 1 0,01
5190 OTAVIO JOEL DE ARAUJO PEN PRTB / PEN Não eleito 1 0,01
1359 SARA GABRIELA PRADO MERCÊS LÁZARO PT PP / PDT / PT / PTB / PR / PSD / PC do B Suplente 1 0,01
7789 SELMA SILVA DE OLIVEIRA SD DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
2345 SINVAL MOTA MASCARENHAS PPS PPS / PSDC / PTC / PV / PRP / PT do B Suplente 1 0,01
1533 TABAJARA SOARES MARQUES PMDB DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
2510 THAIZE DE ANDRADE SANTOS DEM DEM / PMDB / PSDB / PTN / SD / PROS / PRB / PSC Suplente 1 0,01
5152 WILSON ROBERTO ALVES ARAUJO PEN PRTB / PEN Não eleito 1 0,01
13.046
TOTAL GERAL DE VOTOS 13.046
13.046